Nos tempos de hoje o fácil acesso a informação tem nos permitido um maior conhecimento, conhecimento esse nem sempre confiável nem verdadeiro. Eu como profissional da saúde, ando bem preocupada com o quanto esse fato pode ser nocivo, principalmente no que diz respeito à saúde das pessoas.

Por isso e por algumas dúvidas que me chegam de amigos e vizinhos, decidi dividir com você minhas experiências, dicas e novidades sobre um tema muito procurado: a alimentação. E sua participação é muito importante, contando suas experiências e tirando suas duvidas também.

Então seja bem vindo e mãos a obra! Espero poder contribuir com informações úteis que ajudem você a ter uma vida mais saudável, afinal de contas FAZ BEM COMER BEM e eu estou disposta a ajudá-lo a encontrar o caminho!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Educação vem de casa e continua na escola, incluindo a alimentar!

Antes de nutricionista e defensora da causa de reeducação alimentar sou mãe. E desde o nascimento da minha pequena me preocupo em criar nela hábitos de vida saudáveis, o que inclui os hábitos alimentares.

Não foi fácil! Eu levava comidinha pronta em potes, quando passavamos períodos longos na rua, afim de minimizar o uso de papinhas prontas, (não, eu não tinha empregada fazer, quis ter filho então assumi a responsabilidade de criar). Amamentei até um ano, aleitamento materno foi EXCLUSIVO até os 6 meses, tudo da melhor forma possível, pensando na EDUCAÇÃO e saúde dela.

Atualmente, com 1 ano e 8 meses, as coisas estão mais difíceis.

A creche oferece alimentos que deveriam ser PROIBIDOS a crianças menores de... talvez, 10 anos! E casas de festa onde o mais saudável que se alcança são chás gelados melados de tanto açúcar.

Creches, ambiente onde a educação deveria ser complementar, (os pais que criam sim, mas a creche participa, é parceria) oferecem pirulitos, balas, barras de chocolate... a crianças com menos de dois anos e  sequer questionar aos pais se eles oferecem isso a seus filhos. Acham tão normal esse tipo de limento que não vêem nada de errado nisso! E quando chegamos para buscá-los descobrimos que eles comem pirulito e gostam!

Gostam? Como um ser de menos de 2 anos de vida já gosta de algo, que muitas vezes até então NEM havia experimentado? Como instituições de ensino, se preocupam tanto em desenvolvimento cognitivo, capacidade de socialização, aprender a contar, falar, desfraldar e não observam a necessidade de se ensinar SIM sobre alimentação saudável?

A obesidade infantil, vêm crescendo de forma alarmante. E os problemas da saúde física e mental decorrentes disso, que vão desde problemas cardiovasculares, diabetes, até problemas de insuficiência renal, além do tão citado bulling são resultados dessa educação. Ou "deseducação" alimentar.

Educação é tarefa dos pais sim, mas sem pessoas capacitadas para participar disso nada é possível. Afinal de contas são cerca de 10 horas/dia em creches/escolas e 4h/dia mais o final de semana com os pais, como que faz?

Seres brilhantes sem saúde dificilmente chegam a algum lugar, mas tendo uma vida saudável é possível em qualquer época da vida, aprender e se tornar um ser brilhante.

Pense que o seu filho não escolhe isso, somos nós que o educamos para isso. A educação precisa de educadores capacitados também com relação a alimentãção saudável.

 
Para mais informações agende uma visita na sua instituição